Descobertos outros 16 geoglifos na região amazônica

Um grupo de pesquisadores da Universidade do Pará anunciou a descoberta de outros 16 geoglifos na região amazônica. Estas grandes grandes figuras desenhadas no chão foram avistadas no dia 16 de junho, durante um sobrevoo. Com isso, até agora, foram descobertos 308 geoglifos próximos do limite entre os estados do Acre e do Amazonas.

Os geoglifos são formados fragmentos como rochas e pequenas pedras. Em sua maioria, são visualizados do alto, como é o caso dos famosos geoglifos de Nazca, no Peru. No Brasil, as imagens começaram a ser descobertas pelos pesquisadores no final dos anos 70. De acordo com os cientistas, alguns desses geoglifos podem ter mais de 10 mil anos e alguns deles chegam a medir centenas de metros de diâmetro. Suspeita-se que estas figuras foram feitas para marcação de locais e também para a realização de rituais.

Pesquisadores encontraram 16 novos geoglifos — grandes figuras feitas no chão por povos antigos — na divisa do Acre com o Amazonas. A descoberta foi feita por cientistas liderados pela antropóloga Denise Schaan, da Universidade Federal do Pará, durante um sobrevoo às margens da BR-317, no sul da região amazônica. Com isso, somam-se 308 geoglifos próximos do limite entre o Acre e o Amazonas.

 

Os geoglifos brasileiros da região amazônica foram descobertos em pesquisas arqueológicas que se iniciaram no fim da década de 1970. Os cientistas estimam que alguns possam ter até 10.000 anos de idade — os encontrados agora foram feitos entre o século I e XIII d.C. Muitos chegam a medir centenas de metros de diâmetro.

Segundo Denise, a descoberta foi feita em um voo realizado no dia 16 de junho. Os cientistas esperam mostrar parte dos resultados em um simpósio que começa nesta quarta-feira e vai até o dia 30 na capital do Acre, Rio Branco.

Os geoglifos da região amazônica se tornaram visíveis depois da derrubada de árvores. Os pesquisadores pensavam que já haviam encontrado tudo, mas estavam enganados. “Fazendas de área desmatada contínua são áreas promissoras para novas descobertas”, disse. “É possível que existam muito mais figuras debaixo da floresta.”

De acordo com Denise, várias figuras já haviam sido descobertas por terra, mas faltava a observação pelo ar. “Durante a procura pelas figuras já registradas em terra, encontramos novos geoglifos”, afirmou. “Não sabemos o que são ou quem os construiu, mas vamos levar os dados para o laboratório e começar os trabalhos”, diz.

Denise acredita que os geoglifos marcavam locais de encontros e rituais. “O que nos impressiona é a extensão dessa prática cultural, pois são 260 quilômetros de distância entre o geoglifo mais ao sul, no Acre, e o geoglifo mais ao norte, no Amazonas.”

Autor: Leandro CHH

COPYRIGHT – DIREITOS AUTORAIS.

Copyright © construindohistoriahoje.blogspot.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Construindo História Hoje”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Construindo História Hoje tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para http:/www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Construindo História Hoje que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Você quer saber mais? 

http://seuhistory.com/noticias.html

http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/cientistas-descobrem-novos-geoglifos-na-amazonia

http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br 

http://www.construindo-pensamentos-hoje.blogspot.com.br 

http://www.oconstrutordahistoria.wordpress.com 

http://www.desconstruindo-o-capitalismo.blogspot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-comunismo.blospot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com.br

http://www.construindohistoriahoje.wordpress.com

 

Anúncios

Trótski: Monstro Marxista

Por Victor Emanuel
Lev Davidovitch Bronstein, vulgo Leon Trótski, foi um revolucionário marxista judeu-ucraniano nascido em 1879, numa pequena aldeia da Província de Kherson, no então Império Russo, e assassinado em Coyoacán, México, no ano de 1940, com uma picaretada na cabeça, por ordem de seu arquirival Iossif Vissarionovitch Djugashvili, dito Stálin. O autor do crime foi o agente estalinista Ramón Mercader, de nacionalidade espanhola.
Trótski, que certa vez afirmou que “Para cada revolucionário morto mataremos cinco contra-revolucionários”, foi, como fundador e líder máximo do Exército Vermelho, o responsável pelo extermínio de milhões de pessoas durante a Guerra Civil Russa; apoiou Lênin quando este ordenou o assassinato do Czar Nicolau Romanov II e de toda a Família Imperial; esmagou implacavelmente os soldados, operários, camponeses e marinheiros de Petrogrado e da base naval de Kronstadt quando estes, havendo percebido que a Revolução de Outubro de 1917 – de que tinham sido de longe os mais decisivos elementos – culminara numa brutal ditadura não do proletariado, mas sim contra este; criticou, certa vez, Stálin por este haver deixado vivos, em Leningrado, milhares de antigos nobres; e ainda teve a audácia de escrever que desejava a derrota e deposição de Stálin pelos nazistas de Hitler e o conseqüente fim da URSS.
Os virulentos ataques que Trótski dirigiu contra Stálin – com quem disputara o poder após a morte de Lênin -, acusando-o de “pequeno Napoleão” e mesmo de fascista, levaram os argentários das liberal-democracias plutocráticas e reacionárias do Ocidente a rejubilar-se, ingenuamente “convencidos de que se dera na Rússia um golpe de Brumário, devendo, por conseguinte, a revolução retroceder como acontecera em França no século passado.
Stalin serviu-se desse estado psicológico criado nos países capitalistas para obter deles toda a sorte de auxílios, quer sob a forma de um amigável comércio de importação e exportação, quer sob a de empréstimos para o incremento das indústrias da U.R.S.S. O que o capitalismo quer é ganhar dinheiro, não se incomodando com o aspecto moral de seus negócios, e uma vez que lhe eram asseguradas garantias de lucro e de intangibilidade, esse capitalismo sem alma tudo facilitou ao comunismo russo” (Plínio Salgado, “Doutrina e Tática Comunistas, 1956, pág. 17).
Diante das considerações expostas, fica claro que Trótski, com as diatribes que moveu contra Stálin, só fortaleceu a este último e que, ademais, caso houvesse tomado o poder na URSS, haveria sido Trótski no mínimo um tirano tão sanguinário quanto seu rival.
Espero que estas linhas sirvam para abrir a mente de alguns dos inocentes úteis que julgam ter sido Trótski um “santo” sob cujo governo a URSS haveria se transformado num verdadeiro paraíso terreno…
Antes de dar por terminado este pequeno texto, entretanto, urge admitir que Trótski, apesar de haver sido indiscutivelmente um indivíduo extremamente cruel, um verdadeiro monstro marxista, conforme demonstramos, teve uma grande qualidade que foi a bravura. Ao contrário dele, Stálin “jamais assume a responsabilidade por seus atos; manda matar e pune depois o executor dos assassínios, como fez com Yagoda e posteriormente com Yuzef; extermina milhares de oficiais do exército polonês na floresta de Katin e acusa os alemães desse crime; reparte a Polônia com Hitler e seu representante senta-se como juiz em Nuremberg para julgar os chefes hitleristas; proclama a liberdade religiosa e promove a campanha ateísta e a perseguição aos padres; premedita, resolve e executa o envenenamento de Máximo Gorki e faz punir o médico que aplicou a injeção fatal; une-se a Hitler, para animar os nazistas a se empenharem numa guerra, manda Thorez pregar a sabotagem e o derrotismo no exército francês, e quando a sorte das armas pende a favor dos aliados, negocia secretamente com Churchill a sua mudança de campo (o que ficou provado num discurso do “premier” britânico muito antes da invasão nazista na Rússia…); e, para preparar todos esses acontecimentos, favorece a subida de Hitler ao poder…
Nunca o mundo produziu um político mais falso, mais mentiroso, mais cínico do que Stalin” (Plínio Salgado, ob. Cit., pág. 22).

Você quer saber mais?

http://cristianismopatriotismoenacionalismo.blogspot.com.br/2006/05/trtski-monstro-marxista-victor-emanuel.html

http://www.integralismo.org.br/novo/?cont=50&tx=7&vis

http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br 

http://www.construindo-pensamentos-hoje.blogspot.com.br 

http://www.oconstrutordahistoria.wordpress.com 

http://www.desconstruindo-o-capitalismo.blogspot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-comunismo.blospot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com.br

http://www.construindohistoriahoje.wordpress.com

“Che” Guevara, nada mais que um assassino

Victor Emanuel Vilela Barbuy

“Ódio como elemento de luta; ódio cruel do inimigo, impelindo-nos acima e além das limitações naturais das quais o homem é herdeiro e tranformá-lo numa efetiva, violenta, seletiva e fria máquina de matar”

Ernesto “Che” Guevara

Em nossos dias não faltam inocentes úteis que admiram “Che” Guevara, usam camisetas com a foto deste indivíduo, repetem frases como “Hasta la victoria siempre!”, “Hay que endurecerse pero sin perder la ternura jamás! ” e “Se você treme de indignação perante uma injustiça no mundo, então somos companheiros.” e pensam que ele era um pacifista e lutava pela liberdade e contra o imperialismo, chegando mesmo a compará-lo a Gandhi e até mesmo a Jesus Cristo. Ora, como pode ser pacifista e lutar pela liberdade e contra o imperialismo um homem que, além de haver escrito as funestas linhas acima transcritas, admirava Lênin, Stálin e Mao Tsé-Tung (que estão – juntamente com o também comunista Pol-Pot, do Camboja, e Adolf Hitler – na lista dos mais sanguinários ditadores do século XX); um homem que assinou cartas com o pseudônimo de Stálin II e que, por ocasião de sua visita a Moscou, fez questão de depositar flores no túmulo do mais pérfido dos tiranos da extinta URSS, daquele que matou muito mais do que Hitler; um homem que rompeu com a mesma URSS por achar que ela estava ficando muito “liberal” para seu gosto; um homem que fuzilou milhares de pessoas inocentes de qualquer crime e pela ditadura castrista acusadas de “agentes da CIA” no ignóbil “paredón” da prisão de La Cabaña e que torturou barbaramente outras tantas; um guerrilheiro assassino (como se todos os guerrilheiros não fossem assassinos) que lutou a serviço do Imperialismo Russo em Cuba, no Congo e na Bolívia?

Você quer saber mais?

http://www.integralismo.org.br/novo/?cont=50&tx=6&vis= http://victoremanuelvilelabarbu.blogspot.com.br/2011/05/che-guevara-nada-mais-que-um-assassino.html http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br http://www.construindo-pensamentos-hoje.blogspot.com.br http://www.oconstrutordahistoria.wordpress.com http://www.desconstruindo-o-capitalismo.blogspot.com.br http://www.desconstruindo-o-comunismo.blospot.com.br http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com.br http://www.construindohistoriahoje.wordpress.com

Livro revela planos para ‘colônia nazista amazônica’ em 1935.

Nazistas planejavam invador Suriname e Guiana Francesa para diminuir influência dos EUA na região.

Um livro alemão revela que, pouco antes da Segunda Guerra, militares nazistas planejavam estabelecer uma colônia no meio da selva amazônica.

Segundo o livro Das Guayana-Projekt (O Projeto Guiana, na tradução livre) expedições de cientistas alemães à Amazônia entre 1935 e 1937 levaram à idéia de criar uma “área nazista” na região.

O autor Jens Glüsing, correspondente da revista alemã Der Spiegel no Brasil, cita planos nazistas para invadir o Suriname e a Guiana Francesa com tropas que desembarcariam na Amazônia brasileira.

A área seria “perfeita para ser colonizada pela raça nórdica ariana”, disse o autor da idéia, o alemão Otto Schulz-Kampfhenkel, em uma carta ao então todo-poderoso general nazista Heinrich Himmler.

Influência

Os nazistas chegaram a se interessar pelo plano mirabolante, já que segundo Schulz-Kampfhenkel “uma base no norte da América do Sul diminuiria a influência dos Estados Unidos na região”.

“Se trata de um dos capítulos mais estranhos da era nazista”, diz Glüsing, que para seu livro fez pesquisas na Alemanha e no Brasil.

A obra foi publicada na Alemanha este ano e está tendo bastante repercussão depois que a revista Der Spiegel pôs trechos do livro em seu portal de história na internet, einestages.de, nesta semana.

Segundo o autor, o plano não foi adiante porque os nazistas tinham outros projetos mais importantes a realizar e a Guiana Francesa estava sob o comando do regime de Vichy, na França, que era uma marionete dos nazistas.

Submarinos alemães usaram a Guiana Francesa como base para atacar navios que trafegavam na região, diz Glüsing.

O diretor do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque, o alemão Christoph Jaster, organizou uma expedição três anos atrás para localizar pistas das expedições nazistas.

Em seu livro, Jens Glüsing diz que “tudo que ele encontrou foi o túmulo de um colega de Schulz-Kampfhenkel.” A cruz de madeira no meio da floresta ilustra a capa do livro.

Você quer saber mais? 

http://www.estadao.com.br/noticias/geral,livro-revela-planos-para-colonia-nazista-amazonica-em-1935,267465,0.htm

http://www.construindohistoriahoje.blogspot.com.br 

http://www.construindo-pensamentos-hoje.blogspot.com.br 

http://www.oconstrutordahistoria.wordpress.com 

http://www.desconstruindo-o-capitalismo.blogspot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-comunismo.blospot.com.br 

http://www.desconstruindo-o-nazismo.blogspot.com.br